BLOG

Saiba quando realizar a manutenção dos seus equipamentos radiológicos

Quem atua com equipamentos radiológicos sabe da importância de realizar manutenções regulares, conforme as regras legais e as recomendações do fabricante.

Ter a manutenção em dia proporciona mais segurança nas operações em clínicas e hospitais, para, assim, melhorar a qualidade dos exames e dos laudos médicos – documento fundamental para garantir o tratamento preciso.

Para auxiliar, elaboramos este conteúdo a fim de mostrar os principais cuidados que devem ser tomados pelos centros de imagem com relação à manutenção dos equipamentos. Continue acompanhando!

Saiba como realizar a manutenção dos equipamentos radiológicos

Como falado, a manutenção adequada dos equipamentos radiológicos tornam o atendimento ao paciente mais seguro e eficiente, contribuindo ainda para um retorno positivo aos centros diagnósticos.

Equipamentos de raio x ou emissores de radiação demandam uma manutenção de acordo com as normas estabelecidas pela Portaria SVS/MS n. 453, de 1 de junho de 1998, publicada pelo Ministério da Saúde.

Segundo ela, o primeiro passo é observar se os aparelhos estão com a documentação em dia, incluindo laudos radiométricos de fuga, radiométrica no ambiente e do controle de qualidade de imagem.

A forma como a manutenção pode ocorrer depende exclusivamente do tipo de cobertura acordado na aquisição do equipamento, das quais podem ser: 

  • Sem cobertura de manutenção: quando a clínica ou o hospital deve arcar com custos de manutenção. É uma opção não muito indicada, pois pode provocar demora no reparo no caso de um equipamento apresentar defeito.
  • Contrato de manutenção sem peças: caso tenha a necessidade de repor peças, o valor da reposição deve ser pago à parte.
  • Contrato de manutenção com peças intermediário: quando o fornecedor é o principal responsável pelas manutenções preventivas e corretivas, incluindo a cobertura para substituição somente das peças mais básicas.
  • Contrato de manutenção com peças completo: aqui, todas as manutenções e/ou substituições das peças estão incluídas no contrato.

Tipos de manutenções que você precisa conhecer

Quando se fala em manutenção dos equipamentos radiológicos, podem ser destacados três tipos. São eles:

  • Manutenção preditiva: responsável por antecipar e encontrar a raiz do problema nos equipamentos. Com isso, antes de se tornar um problema em potencial, já é possível agir e eliminá-lo com segurança e agilidade.
  • Manutenção preventiva: é uma inspeção planejada para monitorar e controlar os equipamentos. Sua realização é periódica, podendo auxiliar na redução e até mesmo no impedimento de falhas.
  • Manutenção corretiva: ocorre quando falhas ou problemas mais sérios precisam ser solucionados. Sendo assim, o processo é realizado quando o equipamento para de funcionar, interrompendo as atividades radiológicas e de diagnósticos por imagem.

Você sabe identificar danos nos seus equipamentos radiológicos?

Identificar danos nos aparelhos radiológicos demanda atenção. O primeiro passo deve ser a realização de um inventário, reunindo todas as informações referentes ao número de patrimônios, dados de fabricante, revisão necessária e periodicidade.

Feito isso, os equipamentos devem passar por uma inspeção e higienização, sendo calibrados e lubrificados corretamente, conforme a indicação do próprio fabricante e das particularidades de cada item. Assim, é possível encontrar riscos e até mesmo defeitos, incluindo as peças que devem ser trocadas.

Ademais, é fundamental considerar que as peças têm um tempo de vida útil definido em horas ou em quantidade de exames de imagens realizado. Dessa forma, torna-se mais fácil programar trocas e manutenções.

Equipamentos que demandam o uso de radiação para se ter imagens, por exemplo o raio x, devem ter manutenções constantes, evitando sérias consequências para profissionais e pacientes. Vale ressaltar que os principais danos nos equipamentos radiológicos são:

  • falta de realização de procedimentos para a mensuração radiológica;
  • falta de equipamentos calibrados;
  • uso incorreto dos equipamentos;
  • desgastes de peças essenciais;
  • problemas de falhas de energia.

Lembre-se: ao identificar qualquer tipo de falha, é fundamental buscar ajuda especializada, por meio de profissionais capacitados que compreendem as calibrações e manutenções necessárias.

Dito isso, podemos concluir que as manutenções em equipamentos radiológicos é essencial para seu bom funcionamento, proporcionando resultados precisos e tratamento adequado aos pacientes.

Caso queira saber o período correto de manutenção ou realizar uma calibração, fale com nossos profissionais. Atuamos com as melhores técnicas do mercado, a fim de deixar seus equipamentos radiológicos em perfeito funcionamento!

Mais Conteúdos
Saiba quais os riscos e como proteger o pet em exames radiológicos
Saiba o que é e quais os melhores equipamentos de ressonância magnética do mercado